Câmara dos Deputados Câmara dos Deputados

Especialistas temem impactos das mudanças climáticas na América do Sul

Fernando Frazão/Agência Brasil 2021 está entre os anos mais quentes da história Especialistas demonstraram preocupação com os impactos socioeconô...

21/10/2021 às 19h40
Por: Redação Fonte: Agência Câmara de Notícias
Compartilhe:
2021 está entre os anos mais quentes da história - (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)
2021 está entre os anos mais quentes da história - (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

Especialistas demonstraram preocupação com os impactos socioeconômicos das mudanças climáticas na América do Sul. O tema foi discutido nesta quinta-feira (21) em seminário promovido pelo Parlamento do Mercosul (Parlasul).

O professor de climatologia Francisco Eliseu Aquino, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, alertou que 2021 deve ser um dos anos mais quentes da história. Ele pediu união aos países do Mercosul para preservar áreas de florestas e, assim, tentar evitar catástrofes.

“Quando olhamos o inverno de 2021, destacam-se no mundo todo temperaturas acima da média, eventos extremos, ondas de calor, tempestades. Para a América do Sul, seguem temperaturas mais quentes que o habitual, seguidas de eventos ou de falta de precipitação ou de precipitação intensa em algumas outras regiões, inclusive anomalias de ondas de frio”, declarou.

O professor acrescentou que o aquecimento observado no continente desde o início da era industrial, de 1,2 grau Celsius, é igual ao limite que deve ser apresentado na Conferência sobre Mudanças Climáticas (COP-26), que começa no dia 31 em Glasgow, na Escócia. A intenção é evitar aquecimento de 1,5 grau Celsius, o que aumentaria os fenômenos de mudança na circulação atmosférica.

A associação da alteração climática global com o desmatamento provoca perda de biodiversidade, recurso hídrico e qualidade de solo, alertou o docente. Ele destacou ainda a ocorrência de fenômenos na região que deixam um rastro de mortes.

“No ano passado, tivemos a formação de um ciclone explosivo, com alto impacto e com uma característica rara, que é se formar durante a sua posição continental. É associado a rajadas de vento, granizo, chuva concentrada, tudo em um curto espaço de tempo”, explicou.

Aquino chamou a atenção para o fato de que um ciclone explosivo por ano na Bacia do Prata pode causar mais destruição do que um furacão na região.

Urgência
O deputado Heitor Schuch (PSB-RS) reagiu com preocupação: “Confesso que estou assustado.” “Ficou claro para mim que precisamos arregaçar as mangas e apressar o passo um pouco mais rápido na busca de entendimento na região. O Mercosul e o Parlasul podem ser essa ferramenta”, acrescentou.

O presidente da Comissão de Infraestrutura, Transporte, Recursos Energéticos, Agricultura, Pecuária e Pesca do Parlasul, que promoveu o debate, o paraguaio Enzo Cardozo, afirmou que as exposições feitas durante a reunião serão levadas à discussão dos parlamentares em Plenário. “Trata-se de um tema de importância mundial inquestionável.”

Além do brasileiro Francisco Eliseu Aquino, foram apresentados no evento trabalhos do professor argentino Ruben Zarate e do pesquisador uruguaio Walter Baethgen.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários