17°C 26°C
Arapiraca, AL
Publicidade

Achados da FPI confirmam preservação de oficina lítica no Rio São Francisco

Sítio arqueológico encontrado pelo Iphan na década de 80 é visitado pela equipe de Patrimônio Cultural que localiza artefatos pré-coloniais

07/05/2024 às 09h30 Atualizada em 07/05/2024 às 09h49
Por: Redação Fonte: Ascom FPI do São Francisco
Compartilhe:
Achados da FPI confirmam preservação de oficina lítica no Rio São Francisco

No coração do sertão alagoano, uma descoberta da década de 1980 contribui para nossa compreensão sobre a ocupação ancestral do Brasil. A Fiscalização Preventiva Integrada do Rio São Francisco realizou, na última sexta-feira, dia 3, uma expedição no município de Traipu, que visitou uma oficina lítica pré-colonial, num lugar que pode ter sido um terraço fluvial há mais de 6 mil anos.

A equipe de Comunidades Tradicionais e Patrimônio Histórico, composta pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Ministério Público Federal (MPF), Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Alagoas (Semarh) e Secretaria de Estado da Mulher e dos Direitos Humanos (Semudh), reencontrou o sítio Falsidade, num lugar remoto do município de Traipu, às margens do Rio São Francisco. Lá, a equipe identificou artefatos líticos, onde deve haver muitos outros exemplares. As peças encontradas são machadinhas de pedra polida, que remontam há 8.500 a 6.000 anos.

Esses artefatos não são apenas relíquias antigas; eles são testemunhas do passado, narrando uma história de habilidade humana, adaptação e conexão com a terra. As oficinas líticas são testemunhos da antiga técnica de polimento, onde as comunidades pré-coloniais transformavam pedras em ferramentas essenciais para sua sobrevivência.

O sítio Falsidade, mapeado pela primeira vez pelo Iphan no final dos anos 80, revela-se como um tesouro arqueológico, fornecendo informações sobre a migração e ocupação na região. Durante a expedição, também foram encontrados vestígios de cerâmica do século XIX, indicando que a localidade hoje remota e de difícil acesso pode ter sido lar para famílias proeminentes no início do século XIX, quando as louças inglesas passaram a ser usadas pela elite brasileira.

"A região visitada traz importantes elementos para a compreensão da ocupação do território brasileiro", afirma a arqueóloga do Iphan, Rute Barbosa. "Esses vestígios trazem reflexões sobre o território sertanejo demonstrando a densidade de riqueza histórica e cultural".

A Arqueóloga destaca ainda a importância de manter os artefatos nos contextos onde são encontrados, pois só possuem uma história ou narram um modo de vida se forem mantidos em conjunto com o ambiente em que se encontram. Isso permite entender processos de fabricação, materiais utilizados e tecnologias desenvolvidas por diferentes povos. "Uma machadinha num museu é só uma machadinha, mas dentro do contexto é um elemento que fala, que conta uma história quando em conjunto com outros elementos". Além disso, Rute Barbosa esclarece que retirar esses artefatos sem permissão é ilegal e resulta na perda de valiosas informações científicas.

Vestígios arqueológicos no entorno do Rio São Francisco


Com uma das maiores densidades de sítios arqueológicos do país, a área em torno do Rio São Francisco conta uma história de ocupação humana, destacando-se como uma das regiões mais significativas do Brasil em termos de vestígios pré-coloniais. Essas descobertas indicam o papel milenar que o “Velho Chico” exerce para comunidades indígenas, ribeirinhas, pré-coloniais. Esses sítios precisam ser protegidos, garantindo que as futuras gerações possam se conectar com suas raízes e compreender a profundidade da história brasileira.

“No contexto do clima semiárido da região, onde a escassez de umidade favorece a preservação dos achados, é vital que continuemos a proteger esses sítios arqueológicos, garantindo que eles permaneçam como testemunhos vivos de nossa história”, comentou o antropólogo do MPF, Ivan Soares Farias.

Mais uma comunidade tradicional achada em Traipu


Durante a expedição, a equipe encontrou ainda a comunidade Cazuqui, que é possivelmente uma comunidade de pescadores, vivendo de modo tradicional, à beira do rio, no município de Traipu. A pequena comunidade tem o rio como principal via de transporte e contato com as demais comunidades.

Essa descoberta não apenas enriquece nosso conhecimento sobre o passado, mas também destaca a importância de valorizarmos e protegermos nosso patrimônio cultural, o Rio São Francisco e tudo o que ele representa, reconhecendo a riqueza e diversidade das comunidades que moldaram nossa história ao longo dos milênios.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Sem foto
Sobre o município
Notícias de Traipu - AL
Ver notícias
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,43 +0,00%
Euro
R$ 5,93 +0,00%
Peso Argentino
R$ 0,01 +0,05%
Bitcoin
R$ 359,694,80 +8,51%
Ibovespa
128,896,98 pts 0.47%
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade